quinta-feira, 20 de outubro de 2011

ADDIO ROMA

Por incrível que pareça, as 4 semanas de curso acabam amanhã!
Ao mesmo tempo que parece ter sido ontem aquele domingo fatídico que cheguei à Roma (e odiei), parece também ter sido há muito, muito tempo. O transtorno de ter que dividir uma casa com pessoas com hábitos completamente diversos do meu, parece hoje uma grande bobagem.
Mas o fato é que esse mês em Roma chega ao fim com altíssimos pontos positivos.
O primeiro deles foi a oportunidade de eu me conhecer melhor. Saber o que sinto, porque e de que forma... Um encontro comigo mesmo, essa foi a minha proposta e consegui cumpri-la.
Outro ponto positivo foi descobrir-me mais forte, sereno e pragmático que imaginava. Conseguir driblar os contratempos e superá-los, com maturidade e razão, foi uma grande conquista pessoal.
Mais um aspecto positivo é sentir-me bastante confortável ao circular por esta beleza insana que é Roma. Ônibus lotado, metrô com calor infernal, longas caminhadas sob o Sol escaldante ou no frio de doer os ossos, com chuva ou sem chuva, da forma que for, não importa, eu tenho Roma ao meu dispor. 
"Viu Dona Roma? A senhora nem é tão assustadora assim!"
Entretanto, o melhor de toda essa experiência, foram as pessoas que conheci, que me afeiçoei...
A primeira delas, logo no início da aventura, foi a Priscylla. Timidamente nos conhecemos na fila de seleção de níveis da escola e logo éramos os melhores amigos de infância um do outro.

Priscylla e Samukinha - Trastevere

A Priscylla me apresentou a Valentina e o Eyjórlfur, um casal da Islândia com quem dividia o apartamento. Vieram morar em Roma e fizemos a mesma escola de italiano. É um casal lindo a quem desejo, de coração "buona fortuna" nessa nova fase, vivendo definitivamente em Roma.

Eyjórlfur e Valentina - Trastevere



Valentia e eu - Trastevere

Em seguida veio a Célia, mulher maravilhosa, exemplo de vida! Ela sempre fez na sua vida o que sempre quis fazer na minha... Se jogou! A exemplo, me contou, foi passar umas férias em Londres e se apaixonou pela cidade. Conseguiu emprego e ficou 10 meses. Fantástica

Priscylla, Célia e eu - Trastevere

E nessas duas últimas semanas, marcando fortemente o terreno das minhas memórias, estão Alessandra e Lia, com quem fui para Dublin! Meninas, obrigado, de coração, pela incrível experiência de se jogar para um final de semana numa cidade apaixonante.

Alessandra, Lia e eu - rumo à Dublin.

Com todos esses, e muitos outros que encontrei por aqui, eu aprendi algo sobre a vida. Com todos esses eu me envolvi. E um pouco de cada um eu levarei comigo.
Porque o segredo de Roma não está no "Buco della Serratura". O segredo de Roma é o que se leva dela dentro da gente.

O "Segredo de Roma" - Buco della Serratura,
Piazza dei Cavalieri di Malta.

E, só para citar meu livro favorito, que em breve lerei em italiano: 
"Non si vede bene che col cuore. L'essentiziale è invisibile agli occhi."

7 comentários:

  1. Lia Lordello de Leonardis20 de outubro de 2011 19:10

    Mi mancherai un sacco!!
    Odeio despedidas.

    ResponderExcluir
  2. Roma não teria sido assim maravilhosa se não tivesse sido ao seu lao. Mas pode ter certeza que Roma foi só o cenário dessa nossa amizade de infância, essa vai durar pra sempre e em qualquer lugar do mundo!

    ResponderExcluir
  3. Que grande prazer poder ler teus registros nesse blog.
    Diversas razões:
    1. Sempre foi fato notório tua boa relação com as palavras, mas as poucas vezes que tive oportunidade de ler escritos teus, eram estes jurídicos. Poder agora lê-lo falando de suas experiências pessoais é diferente mas, ao mesmo tempo, prazeroso.
    2. Experiência fantástica a que vens tendo. Como bem te conheço, posso imaginar o quanto estás a aprender e crescer. Meus parabéns! E tu, certamente, sabes: eu não sei se teria coragem de fazer algo similar, por mais cativante que possa parecer.
    3. Não é espantoso saber que, mesmo aí, fizeste boas amizades. Afinal, isso é natural para os bem relacionados e de bom coração, como tu.
    [...]
    Enfim!
    Sucesso e felicidade sempre.
    Abraços,
    Rafael Albuquerque.

    ResponderExcluir
  4. Amyntor, fico feliz em saber que o saldo foi positivo, eu tinha certeza que seria. Ainda tens muitas coisas pra viver, este foi um passo para uma nova mentalidade, estilo de vida, etc, eu sempre te disse: você é cidadão do mundo! Um prazer compartilhar isto contigo. Parabéns. E olha que ainda não acabou!!!

    ResponderExcluir
  5. Fico muito feliz por você ter tido esta experiência tão intensa. Aprendemos muito também através de seus posts, mensagens, twitadas, facebucadas...lembro que dizia pra você não esquecer de ir ao Trastevere(que pronunciava de maneira errada!)pode?
    Amigo, é um prazer fazer parte de sua vida e tão bem vivida. Parabéns!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Oi Amyntor, tou em Palmas e finalmente comecei a ler o seu blog, quando aparentemente a sua viagem está acabando né?! E como muitas vezes faço, comecei a ler pelo final (adoro! rss) e caramba, muito legal, mesmo pq eu já sabia do final feliz, que foi essa sua baita experiência :)
    Fico feliz que tenhas descoberto o encanto de Roma, a cidade é um caos, mas me encantou muito! E é bem diferente: ser turista e ser morador, né? Sem dúvida vc conheceu cantinhos de Roma que um turista com 6 dias não vê, não entende, não percebe.
    Ah e parabéns, vc escreve super bem!
    Volte logo, pois nós daqui estamos com saudades!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Pi, Sim, o essencial é invisível aos olhos. Por isso mesmo você tirou tanto proveito dessa sua experiência em Roma: porque você vivenciou-a com o coração. E, através de você e do seu blog, nós também aprendemos mais sobre a cidade e de alguma forma ficamos amigos dos seus amigos. Que maravilha a tecnologia, não? Poder acompanhar o seu dia-a-dia, e até participar dele, estando tão longe e ao mesmo tempo tão perto de você. Então, "Addio Roma" e que venham outros posts tão poéticos quanto estes no restante da viagem. Buon Viaggio!

    ResponderExcluir